Buscar
  • Ruy Montalvão

Remador encontra Imagem de Nossa Senhora na Baía do Guajará em Belém

Atualizado: 17 de fev. de 2021

O professor Mateus Maia, 37, encontrou no sábado, 10 de outubro, uma imagem de Nossa Senhora submersa nas águas da Baía do Guajará. O local do achado foi a prainha do Complexo Ver o Rio, em Belém. Mateus que também é praticante de Stand up Paddle, rema no local todos os dias e acabava de chegar quando se deparou com a imagem.



“Quando coloquei a prancha na água e pisei, vi algo colorido com cores fortes, vi uma cerâmica colorida. Achei que fosse coisa do pessoal de umbanda que tem lá e respeito muito o trabalho deles, achei que era uma tigela, aí coloquei a mão. Quando eu vi, era o pedestal do santo. Quando olhei para o lado esquerdo, lá estava a imagem, dentro da água submersa, mas a água era incrivelmente transparente e vi claramente, toda tremendo ”, diz Mateus. Em 1793, o Caboclo Plácido encontrou nas águas de um igarapé, a imagem que deu origem ao Círio de Nazaré, local onde se encontra a Basílica da Nazaré, no bairro de mesmo nome.



O professor que também é devota de Nossa Senhora, revela que a maré já começava a secar e colocou a imagem que foi quebrada em cima do píer local e fala sobre a emoção na montagem das peças. “A maré começava a secar e o sol ainda não tinha nascido, coloquei a santa em cima do concreto, montei, ela levantou e olhou para mim. Eu disse: meu deus! Não sabia o que fazer ”, mas tirei a foto para registrar o momento, revela Mateus. Outros remadores começaram a chegar ao local e uma menina perguntou ao professor se ele havia resgatado a imagem da água. Após a declaração de Mateus, o clima de emoção tomou conta dos presentes no Ver o Rio e começaram a aplaudir a imagem, conforme explica Mateus. “Uma garota me perguntou se o santo estava na água, eu disse que sim. Então começaram a gritar: É um milagre! Viva Nossa Senhora de Nazaré! Fiquei tão surpreso que não sabia o que fazer ”. Mateus revela que pretende restaurar a imagem e organizar, em conjunto com os seus congéneres, uma homenagem às águas da baía no primeiro sábado de outubro devido ao facto de a descoberta ter ocorrido num sábado, véspera do Círio.


“Pensei: vou restaurar esta imagem e ela será a padroeira dos remadores. Ela tem um relacionamento conosco. Ela tem uma relação com o rio. Há alguns anos houve uma briga com o povo Caruan, então, a partir de agora, todo ano faremos uma briga com essa imagem. Ela veio do rio, ela volta ao rio ”, frisa Mateus. O professor também comenta a sua relação com Nossa Senhora e revela que embora não se enquadre como religioso, acredita que existe uma ligação entre o ser humano e o Divino. “Todos os dias saio para remar antes do nascer do sol e não é só para remar, mas para vê-lo nascer e Nossa Senhora naquele dia veio a mim de dentro do rio, para mostrar que o que faço todos os dias é fé. Mesmo não estando em igreja, percebo fé na natureza, dia a dia, dentro do rio ”, finaliza o professor redator que, na mesma semana da descoberta, teve vários de seus alunos premiados no Concurso de Redação do Círio.

209 visualizações0 comentário